20 de nov de 2010

ENGANOS MODERNOS

Moderna...idade...

Já não se ouve o pássaro, não se respira o verde
Pessoas que apressadas passam, sem nada ver, tomam seus caminhos
Poucos ouviram... Poucos sentiram...
Submersos que estavam nos problemas sombrios
Pensamentos ocultos, abrigados de si mesmo.
Sinto-me um ponto na multidão aturdida
Falta-me o calor humano, nem mesmo o Sol aquece a alma.
Queixas de solidão, depressão instalada em nome da modernidade!
Quando se quer sentir, pouco se dispõe a doar...
Olham-se... Nada vêem! Nem dor, nem medo
Instintos egoístas sobrepondo-se ao abraço.
Ao olhar, ao toque... Coletividade individualizada.
Violência aterrorizante, cotidiana, aceita...
Discursos humanitários sufocados pelo desejo de Ter
Grito da alma! Simples... Complexidade da dor.
Ânsia de solidariedade esquecida... Doença instaurada no medo
Maiores e populosas cidades...
Vigência de solidão instalada no estar sem ser.
No buscar sem saber, no querer e perder.
Chorar só... Lamentar somente...
Sem que percebas o tempo, morres prematuramente
Ausentando-se do imprescindível
Dissimulada crueldade em nome de verdades hipócritas
Onde ter é ser aceito, Ser é utopia!
Amar é fantasia de lunáticos como eu.
Ainda crêem na vida... Ser ponto! Ser Luz!
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 20/11/2010
Código do texto: T2627014