Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2012

Simples

Ouça,
Não me console
Não quero palavras.
Quero suas mãos em meus cabelos.
O cheiro do teu corpo.
A lágrima que se mistura a minha.
Quero seus braços me envolvendo.
Segurança que acolhe e cuida.
Sem piedade,
Lamentos ou lembranças
Do que poderia ter sido...
Quero você!
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

Amanhecer

Incongruências afetivas

Pensa-se amar...
Amor que abriga e afasta
Amor que consola e oprime
Amor que transparece e esquece
Amor que conforta
Que apenas recebe
Que afaga
Que devasta
Que incentiva e reprime
Amor, desamor
Que pouco acrescenta
Amor afinidade
Que quase nunca invade
Amor sem retorno
Dispensa adornos
Amor de amar
Simplesmente...
Longe, distante de gente,
Que acredita reter eternamente

Wanderlucia Welerson Sott Meyer

LEMBRANÇAS

Educação com amor

Os tempos mudaram, a tecnologia avançou, recebemos informações inúmeras até mesmo as que não queremos, contudo, sempre me pergunto se a pretexto de evoluir o ser humano não venha perdendo sua essência, principalmente, no ato de cuidar.  Assusta-me perceber que nossas crianças comecem tão cedo a sentir a ausência de afetividade, carinho e atenção. São conduzidos pela vida como pequenos adultos, repletos de responsabilidades, utilizando desde muito cedo a expressão “falta de tempo” para justificar falhas, que determinarão toda a vida adulta.  Ouvi uma atriz dizendo que agora que se tornara mãe, havia descoberto o milagre da multiplicação do tempo. Tinha que ser mãe, atriz e preocupava-se em manter tudo o que fazia antes de ser mãe. Não abriria mão de sua vida anterior. Fiquei me perguntando, sem julgá-la, que tempo teria para oferecer ao seu filho. Escondemo-nos atrás de obrigações que julgamos necessárias e fundamentais, nos esquecendo de que o ato de cuidar exige leveza,…