4 de dez de 2015

Ilusão


“Há muito deixei de correr atrás das borboletas”
São encantadoras, mas dificilmente criam laços...
Não estabelecem vínculos.
Prefiro observá-las
Inebriar-me com a desenvoltura de suas asas
Deixá-las livres para que sigam seu destino.
Enquanto contemplo
Entrego-me aos sonhos...
Indagação sincera...
Como seria se permanecessem ao meu lado?
Encantariam com sua beleza?
Ou se converteriam em realidade?

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer



1 de dez de 2015

Dezembro

O dia amanheceu frio, verão encoberto de nuvens, temperatura agradável e úmida que desperta a sensação de nostalgia e saudade. Dezembro, momento em que nos dispomos à reflexão. Término e recomeço... Há Milênios buscamos absorver as palavras e os exemplos de um Ser de luz inimaginável que nos legou o aprendizado mais árduo e confiável: o Amor! Períodos cronológicos que pouco importância têm, contudo, cabe-nos à oportunidade de reflexão e evolução contínuas. Jesus, Mestre querido, exemplo de Vida Plena... Continua a nos incitar diariamente à renovação. Todos os dias na simplicidade, na humildade e na oferta singela da natureza, renova seu compromisso de Amor para com a humanidade. Acredito na força desse Amor que ainda não absorvemos por inteiro. Observe uma semente... O esforço empreendido para que a mesma se rompa e germine. A mágica de vê-la crescer, transformando-se em frondosa árvore... A flor, o fruto, e o divino processo de decomposição que oferece nova vida! Há algo de Divino, algo que ainda pouco compreendemos... Creio que assim somos, assim vivemos e estamos fadados, cada um há seu tempo, a melhorar as vibrações espirituais da Terra através de nossas atitudes. O Bem prevalece tímido e, na semeadura de Amor que cada um se dispor a fazer, encontraremos Deus. Um Reino que precisa ser edificado dentro de nós!