28 de mai de 2015

Palavras

Se existissem palavras, descobririas os clamores de uma alma que sempre lhe rogou afeto. Não criarias mundos paralelos, nem negligenciarias o fato de reter sem possuir.
Se existissem palavras, seriam resignificadas pela brandura de um coração cansado que sempre desejou o mínimo, almejou o simples, entregou-se por inteiro.
Se existissem palavras...
Existem...
No entanto, acostumaram-se ao silêncio. Esconderam-se... Sufocando desejos, ideias e vontades.

Preservou-se a essência e, dos olhos nunca omissos, ainda observa-se o parco brilho, Luz intensa reduzida à ínfima chispa luminosa que, embora sufocada por palavras nunca ditas, cisma em brilhar.

25 de mai de 2015

Pontos de luz



Como pontos, pontos de luz
Uns brilham mais, outros menos
Uns apagam cedo, outros tardiamente
Uns iluminam, outros ofuscam-se para que os demais brilhem
Ainda outros, fecham-se em caixas
Impedem a expansão da luz...
Todos brilham e em um dia...
Desaparecem, cintilam em outras paragens
Transcendem...
Pela intensidade da luz
Calcula-se a saudade
Acumulam-se as perdas
Acrescentam-se mais lumes
E a vida segue...
E a alma pede...
Luz!

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

7 de mai de 2015

Caminhos



Traçaria caminhos de serenidade avessos à desordem diária. Certamente, conviveria com altos e baixos, alguns desajustes... Nada que lhe desorientasse ou lhe fizesse perder o rumo.  Mesmo que o tempo exigisse paciência, permaneceria no firme propósito de descobrir-se. Voltaria seus olhos para a beleza e despertaria o coração entregando o que de melhor guardava: o Amor.