21 de abr de 2008

Que liberdade é essa que dizem que conseguimos?


Somos escravos da mídia, muitas vezes, do dinheiro; escravos de nossos compromissos inadiáveis; de nossas convicções que de um momento para o outro deixam de existir; escravos do que não fizemos no passado, da pouca ousadia do presente e da angústia relacionada ao futuro; escravos dos medos que nos afastam de objetivos reais e dos planos que adiamos por ausência de coragem. Quanto menos temos, mas livres somos! Passamos a viver situações mais simples e, portanto, mais prazerosas. Enxergo isso no rosto de pessoas simples que conheço e respeito e, que são capazes de se distrair com o cantar dos pássaros, o murmurar das águas, a sutileza do vento... aprendi com elas que precisamos de tempo para pensar, sentir e amar. Não possuem muito, mas o que precisam.

11 de abr de 2008

Sentimentos


Existe em mim, algo de incompleto, insano...
Sentimentos diversos que me fazem calar,
Quando deveria estar aos gritos.
Ocultos, me transformam.
São intraduzíveis ao olhar humano
Interiormente me corrompem.
Não sei se os sinto, deixando-os vir a tona,ou se os guardo,
Como assim o fiz por todo esse tempo.
Sei que existem, porque me incomodam
Incandescentes como chamas vivas.
Posso ocultá-los e guardá-lo
Mas, nem por isso deixarão de existir.


Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 10/04/2008
Código do texto: T94
0042

8 de abr de 2008

Além do olhar

Impressiona-me os rostos que encontro... 
Tão diversos e diferentes. 
Expressões inúmeras. 
Tradução de alegrias, tristezas
Cada qual com suas particularidades e mundos.
Até que paramos e nos dispomos a ouvir. 
Verificamos então, que fisicamente diferentes 
Somos humanamente parecidos. 
Desejos quase que unânimes. 
Anseios de felicidade e de amor. 
Conceitos diversificados 
Sentimentos equivalentes. 
Escolhas personalizadas, 
Objetivo único de ser feliz. 
Seres humanos diversos, 
Trilhando um só caminho. 
Almejando sempre encontrar a Paz! 

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer 
Publicado no Recanto das Letras em 08/04/2008 
Código do texto: T937279

6 de abr de 2008

Coração de mulher

Se me fosse dado o direito de dizer a um homem o que realmente se passa no coração de uma mulher, lhe diria que sentir e ser amada é o que quero. Que não há nada, que seja maior que o carinho, que não há sentimento que resista à solidão, que quando uma mulher ama, é capaz de esquecer-se de si e doar-se inteiramente. Diria que se perde muito quando não se escuta... que muita dor poderia ser evitada se fosse dada a devida importância às palavras que saem do coração. Que sexo só é bom quando há cumplicidade. Que ninguém sente prazer se não houver afeto. Que por mais que mascarem o sentimento, a vida nos mostra que dependemos sim do Amor, acima dos desejos, da insanidade momentânea, da obscenidade do acaso.Precisamos do toque carinhoso, das palavras que traduzem afeto, da rosa que se oferece, das surpresas simples e sutis que marcam momentos tornando-os inesquecíveis. Diria que perdemos grandes amores quando não nos dispomos a vivê-los e que podemos lamentar a perda por toda uma existência. Que amar é mais simples do que se imagina e que o tempo é implacável para quem não o valoriza.

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer 

Publicado no Recanto das Letras em 06/04/2008

Código do texto: T933878

Reencontro


Em tudo o que faço,
Tento investir o que há de melhor em mim.
Como se fosse à última vez...
Não é uma forma pessimista
De perceber a vida...
Mas, uma forma otimista de eternizar momentos e,
Ter a mais absoluta certeza de que nada se repete.
Mesmo que vivendo, reencontrando...
Aquele momento específico é único.
Sua essência, sentimentos, possibilidades...
É como um reencontro...
As mesmas pessoas, lugares.
Mas, as cicatrizes que passaram a existir,
Causadas pelas experiências individuais,
Modificam as percepções,
Encobrem mágoas,
Carregam a sensação do que poderia ter sido.
E os “mesmos”,
Já destituídos de muitos sonhos vitais,
Encontram novos motivos,
Despertam novos desejos, mas,

Nunca mais serão os “mesmos”...
Porque ninguém sai ileso quando aprende com a vida.
O que fica é a essência do amor que se cultiva
No coração das pessoas...
Laços eternos e inesquecíveis!

 

Do amor que sinto...

Quando passei a me amar, comecei a perceber melhor o significado de ser amado. Entendi que o princípio, é o amor-próprio. Que não é possível sentir o que não se tem. Esqueci certas convenções, passei a me sentir inteira, Defeitos... virtudes...manias...atitudes... E compreendi que se me conhecesse melhor, Aceitando-me exatamente como sou. Poderia me reconstruir lentamente e sem atropelos. Quando passei a me amar, via no espelho as marcas inevitáveis do tempo, E sorrindo... Agradecia pelas experiências Que me ajudaram a ser quem eu sou. Não mais me preocupam as opiniões que não contribuem... Os comentários que não edificam... Quero sim e muito... As amizades que respeitam...Os sentimentos sinceros... Os momentos de felicidade Que se tornam eternos e inesquecíveis. 

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer 
Publicado no Recanto das Letras em 06/04/2008
Código do texto: T933713

3 de abr de 2008

Persistir

Desistir de objetivos, de pessoas, essa nunca foi minha especialidade. Quando acredito que algo ou alguém vale à pena, passo por cima de todos os conceitos e preconceitos, orgulho, vaidade e invisto todas as minhas energias. É uma forma de dizer a mim mesma que tentei fazer com que os sentimentos passem a valer Argumentos, razões o que for preciso para lutar pelo que desejo. Investir no que se considera imprescindível é uma forma justa de ser fiel a si mesmo. E, se para isso for preciso descer do pedestal e caminhar sobre o terreno árido e sem vida, caminharei feliz por ter a coragem de lutar pelo que me importa. Há muitas formas de luta. Alguns optam pelo desespero, a angústia, a depressão, a agressividade. A minha opção é quase racional, se não fosse envolvida também por uma alta dose emotividade. Opto pela sinceridade das palavras, aquelas que brotam de dentro, vêm da alma. Luto com a dignidade de quem sabe esperar, mas, espera apresentando-se verdadeira e transparente A possibilidade de desistir só se apresenta quando as energias já não dão conta da dor que se sente. O investimento já não cabe e a decepção fala mais alto. Nessa hora desenvolvo uma couraça, sinto parte do meu coração endurecer, lágrimas brotam, deixo que caiam, e sofro tudo o que penso ser necessário naquele momento. Uma espécie de luto interno, em que procuro desmascarar o que antes não percebia, e finalmente, render-me. Quando isso acontece, nasce em mim um espaço aberto, como se fosse um enorme e fundo poço, onde deposito minhas mágoas, minhas dores, meu desejo, meu amor. Com o tempo me reconstruo, renovo meus ideais, e recomeço... mais forte, mais segura, mais senhora de mim.

2 de abr de 2008

Ousadia

Corro riscos e nenhum deles me assusta. Avanço com a segurança de quem acredita na vida. Sou tal qual um pássaro, que ao vento tem a sensação de ter suas asas amputadas, mas, que em momento algum pensa em parar. Corro riscos e avanço em direção incerta porque percebo-me inacabada... Sou uma construção interminável... Não me preocupo com consequências e certezas. No coração trago a alegria de ter ousado ser.