27 de jul de 2013

Tola distância

Tola distância que parece estabelecer o impossível
Não imaginas a força de um desejo
Não podes compreender o inevitável
Quando o amor prevalece.
Fatos e certezas pouco acrescentam
Vale a vontade de quem ama
Mesmo que a paciência seja um exercício
Mesmo que o tempo silencie anseios
Há de se viver o que fatalmente está escrito
Como polos que se atraem
Assim será o caminho
Pedras, dores , desalinhos
Profundo sentimento de estar sem ser
Tudo temporário e transitório
Certeiro será o reencontro
Possibilidade de entrega
Uno, conecto e preciso
Amor de porto-seguro
Amar de amor!




25 de jul de 2013

Manifestação de fé

As manifestações de fé podem vir de diferentes línguas e interpretações do Evangelho de Jesus, essência de Amor. O que diferencia, o que realmente importa, é a mensagem espargida de maneira humana, sincera e verdadeira. Aquela que toca sinceramente o coração das pessoas. Missionários que falam em nome do Cristo, que praticam à coerência com lições de fé, caridade e amor ao próximo que precisam ser aprendidas e apreendidas pelos corações humanos. Madre Teresa de Calcutá, Chico Xavier, Papa Francisco e tantos outros missionários que perpetram os ensinamentos de Jesus, levando alento, esperança e amor aos que sofrem de carência material e espiritual. A energia emanada das orações e preces proferidas transformam a atmosfera espiritual da terra, possibilitando a edificação do Reino de Deus no coração em nossos corações.

17 de jul de 2013

E por falar em amor...

Enquanto sonhamos, continuamos alimentando expectativas. Tão nossas e necessárias... Razões para sustentar o sorriso e seguir. Nas estações que a natureza nos oferece aprendemos que existe tempo para tudo... Aquecer, florescer, frutificar, recolher. Há estações de inverno que nos visitam por tempo indeterminado, nos recolhemos, refletimos, permitimos que a dor se manifeste, deixamos que a vida nos ofereça o caminho. Momentos de resignação em que nos desligamos das ilusões do mundo, desejando mais do que o superficial. A essência divina que em nos reside desde os primórdios de nossa existência, convida-nos ao sentimento verdadeiro, aquele que se encontra longe das paixões efêmeras do mundo, que provoca a fusão de almas em um só coração. A primavera floresce, os sentimentos são amadurecidos por dores ocasionais de evolução natural interna e eterna, almas entregam-se aos sonhos, a ventura, instância de vida. Deixar a vida florescer é provocar a continuidade natural daquilo que já está reservado, nenhum acaso... Somente reencontro procrastinado de sentimentos que sempre existiram.

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

16 de jul de 2013

Saudade e amor...eternos

Em cada pequeno espaço dessa casa de enormes proporções, que me acolheu na infância, vejo você... Lembro-me, do colo amigo, das músicas que cantavas, do sorriso farto e das inúmeras vezes que lhe chamava. Homem simples, pouco estudo, levantando-se cedo, trabalho árduo e duro. Suas roupas sujas de óleo, sempre foram um motivo de orgulho para mim... Admirava o ser humano que havia me oferecido à oportunidade da vida. Cresci, aprendendo ser leal, honesta, gentil e nada disso aprendi nas escolas que frequentei. Eram vocês, pai e mãe, pessoas que somente o bem fizeram que me ensinaram o dever para com a vida, o amor a Deus, o respeito indistinto a quem quer que fosse. O tempo lhe trouxe dores que sua alma sensível não conseguiu absorver, o vi sofrer... No início, sem entendimento e á medida que os anos passaram com compaixão, na verdade, sem saber o que fazer para ajudá-lo. Nenhum de nós soube pai e nada, nem a dificuldade que tínhamos de nos aproximar de sua dor, fez com que o amor construído esmorecesse. Seu coração infantil, meu querido velho, confiou demais em pessoas indevidas e o vimos expiando sem nada podermos fazer. Hoje, sentindo sua falta compreendo que o seu olhar triste e distante, carregado de decepções e mágoas, não suportava mais. O vi, pela última vez, sereno, de olhos cerrados e sem vida... Senti que parte de mim seguia com você, roguei a Deus que o acolhesse, tentei lhe dizer mais uma vez o quanto o amava, pedindo-lhe que se entregasse a providência Divina e que compreendesse que não há sentimento maior do que o Amor. Sei das dores que viveu, das histórias que o consumiram, porém, nada disso lhe servirá de alento...onde quer que estejas, amparado pela espiritualidade que nunca desampara, encontrarás motivos para seguir, nada ao acaso, sem propósito... E, nós que aqui ainda estamos, rogamos a benção do pai amoroso que fostes. Procuro me lembrar do colo, das noites que cantavas para nós observando a lua, do trabalho que lhe dávamos quando mamãe saia para trabalhar, do pouco que tínhamos e do muito que nos destes. Fique em paz querido... 

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

12 de jul de 2013

Fatos

Dos olhos que um dia tocaram a alma, quase nada restou. 
O que se vê são ideais encobertos, desejos não resolvidos,
Caminhos bifurcados e distâncias insuperáveis.
Anos passaram céleres, lembranças impressas em lágrimas
Distorções de enredos que jamais se resolveram
Ecoam sinfonias nada originais
Harmonia perdida em escolhas equivocadas.

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

Recomeço

Ao abrir a janela os olhos procuram percepções de vida, momentos de real significado. Azul de inverno, pássaros que livres fazem sua escolhas. A alma, aquecida por lembranças, parece perceber aromas, sabores e odores que não mais existem. O dia convida a recomeçar... Como se desejasse também reviver lembranças felizes, segue com olhar a paisagem que se perde ao longe. Pode-se sentir o calor das mãos que acariciam os cabelos, a firmeza do abraço que acolhe, sensação de proteção irrestrita, o silêncio que lhe visita a alma aquecendo suavemente o corpo. Retratos imaginários de realidade distante. Fatos desconhecidos... Reserva de amor que não se perde, jamais se olvida.

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

4 de jul de 2013

Impressões cognitivas





Com o tempo a gente se rende,
Passa a aceitar o que de nós independe.
Rende-se aos ventos, assentos e estágios.
Rende-se aos fatos que pedem tempo
Rendição raciocinada de quem tenciona evoluir
Reconhece no processo a morosidade
Imaturidade circunstancial
Aprende que mais vale perdoar-se
Do que remoer consequências
Liberta-se de queixas infundadas
Conduzindo-se  levemente ao que denominam destino.
Com o tempo, percebe-se que tempestades movimentam
Que certezas estacionam
Que quando a exigência é maior que a possibilidade
Desperdiçamos energias preciosas
Com o tempo,
Sem lamento, tranquiliza-se a inquietude da alma
Espera-se serenamente...
Sabe-se Ser!




2 de jul de 2013

Opressão

Leve alma que presa à matéria densa, sente a ausência de liberdade.
Sonhos adiados e pequenos diante das possibilidades
Represa de sentimentos que se rompem em lágrimas
Amor que se ofusca, nenhuma busca
Exagero de normas impostas e indiscutíveis

Peso que estaciona a vontade.