7 de mar de 2011

Mulher



Amar sem medida, sintonia fina de mulher que entrega
Sonega sua própria alma, entrega-se a lida
Vê-se perdida em desejos que não são teus.
Tua desdita é perceber com o tempo
Que não há uma trajetória sem lamento
O que se confere é a vida, os sonhos, pensamentos.
Aspirações perdidas nos anseios alheios
Segmentadas e veladas
Submersas e esquecidas
Entrega sutil e delicada
Onde quase o que se aspira é o nada.
Descobrir-se mulher
Confiando cegamente sua sina
É fado desleal e traiçoeiro
Traição infringida por si mesmo
Transgressão alienada, perda a ermo.
Mais forte é vier intensamente
O que te cobra à vida interiormente!
Paz, alegria, sem sanções!
Desejos que cobertos de razões
Precisam ser vividos densamente
Nos cálidos e ardentes corações
Minam sentimentos e emoções
Florindo-se desertos antes áridos
A força da mulher
Os deixam pálidos!
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 07/03/2011
Código do texto: T2834066