23 de fev de 2011

Utopia de amar


Utopia de amar



Não o vejo

Aparentas ser fluído que plasmo
Etéreo,
Elevado à condição de vida!
Alimento dos sonhos
Não permitidos
Além do que os olhos avistam
Mora o desejo!
Amor que sinto, aspiro e pretendo
Tão próprio
Intransferível viciosidade
Pensamentos que vagam
Na busca da felicidade possível
Além do que os olhos avistam
Encontra-se o que o coração aspira.
Sonho, suave utopia
Alegra, despertando meus dias.
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 23/02/2011
Código do texto: T2809496