8 de ago de 2011

Germinar


Germinar

Tenho saudades tão indescritíveis quanto os dias que vivi alienadamente sentimentos de entrega irrestrita. O que o espelho hoje me mostra são olhos distantes, infinitamente tristes, cansados de serem umidificados por lágrimas que vertem como água corrente. Não creio que venham sentir novamente. Não dessa forma. A vida pede que o fruto maduro, preserve a semente... Ninguém é o mesmo quando lapidado pela dor! Retira-se o mesocarpo e vislumbra-se história a ser construída! Terra fértil, luz do Sol, água refrescante e nova vida! Nova porque mesmo que se anseie, jamais será a mesma. Nenhum sentimento será igual, nada lhe parecerá familiar, no entanto, é preciso renascer! 
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer