Pular para o conteúdo principal

Fala comigo Senhor!


Fala comigo Senhor!
Estou aqui filha.
O que aconteceu comigo Pai?
Por que perguntas? Sabes bem que adversidades são necessárias para o crescimento.
Sim Pai, eu sei... Mas, há tempos não sei mais o que é ter Paz. Não me queixo Mestre, sei que tens propósitos que ainda desconheço, mas, encontro-me cansada.
Percebes os sinais da vida? Reconheces as necessidades de vencer-te as frivolidades do mundo? Pensas que em algum momento estive longe de ti? Imaginas que não conheço seu coração?
E meus erros Pai? Atordoam-me, trazem-me pranto... Sinto as conseqüências de atos impensados, fraquezas que me levaram a caminhos jamais imaginados, sei que todo amor que interiormente guardo deve ser expandido, porque me parastes Senhor? Ou porque permitistes que a estagnação tomasse conta dos meus pensamentos e atitudes? Errei tantas vezes justificando minhas atitudes nas dores que sentia... Mesmo nesses momentos sentia a consciência fervilhando, rogando o caminho reto.
Não te apavores com as tendências que ocultas, és espírito eterno em aprendizagem plena e contínua. Não permita que a culpa domine os sentimentos nobres que precisam florescer, perfumando lugares por onde passas.
Compreendo seus ensinamentos Senhor, sei que sou serva do mundo e a ele devo empreender todos os dons que gratuitamente me ofertastes. Sinto também que nunca me abandonaste e que mesmo nos momentos obscuros, onde as lágrimas eram tão abundantes que turvavam o meu olhar, Tua presença fortalecia-me. 
Ao contrário do que pensavas, não só estava ao teu lado como também ouvia as rogativas, sentia as aflições, sofria contigo. Aliviava-lhe o coração transmitindo-lhe bálsamos de luz.
Apesar das dores eu sentia... As dores que pareciam intermináveis eram amenizadas, o pensamento fluía e portas se abriam. Nunca duvidei de sua presença amiga, Mestre. Podia senti-la nas letras que se entrelaçavam e surgiam como poesias. Nos momentos de solidão e medo, na força interior que sempre encontrava nas possibilidades que surgiam quando não acreditava em mais nada.
Sim filha querida, em todos os momentos ao teu lado estive como mentor amigo, conselheiro oculto, esperança iluminada de seus dias. Assim estive e estarei enquanto permitires. E, se um dia deixares de crer, aguardarei o momento em que teu coração virá de encontro ao Meu.
Não sei viver sem a certeza do Teu Amor querido Mestre! Na leitura de Tuas palavras, imagino-me ao Teu lado, ouvindo-te, sentindo-te, absorvendo a energia que emanas tão naturalmente. Revelações, sinais... Tudo o que ouço, leio, aprendo e apreendo, molda-me o coração. E, embora saiba que nem tudo acontece da forma que desejo, encontro consolo na vontade Divina. Quando pensamentos aturdem, sei que é paciência que me pedes.
Paciência é burilamento do espírito querida filha. Encontrarás mil motivos para caminhar seguramente se distribuíres o que lhe outorga à Vida! Doe palavras, atenção, amizade, amor e a Vida seguirá lhe ofertando momentos de pura Paz.
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Enviado por Wanderlúcia Welerson Sott Meyer em 22/07/2011
Alterado em 22/07/2011
Código do texto: T3111837

Gratidão

Certezas de Amor

Estavas ali, sempre estivestes.

Não era matéria palpável

Nem ilusão temporária

Fazia parte dos dias

Desde sempre...

Um alento nos momentos de dor

Uma esperança de amor

Visitava-me nos sonhos

Acariciava-me o rosto

Registrava-se a presença

Partia...

Permanecia a sensação do encontro

Serenidade pretendida

Essência de sentimentos duradouros

Suavidade que se sente

Tal brisa suave tocando o corpo

Indivisível êxtase

Emoções desejadas

Puras, intensas

Tradução apropriada de Amor!

Amor maduro

Será preciso tempo para regenerar as lesões provocadas pelo desvario dos sentimentos. Não é possível afirmar se era amor de fato. Serviu como alento enquanto próximo estava. Agora, que apreende e absorve palavras proferidas sem nenhum compromisso estreito com a verdade, analisando frases soltas e atitudes contraditórias, percebe-se claramente a ineficiência das palavras que não condizem com a verdade. Realidade tão intensa quanto a fugacidade dos anseios de porvir. Confia cegamente na maturidade que se adquire, grata pelo aprendizado rápido e eficaz de que o amor, de fato, só existe nos atropelos da convivência, no encontro dos desajustes, no sentir mesmo nas turbulências, na expressão de respeito pelo que se é. Constância inconstante de emoções indefinidas e necessárias. Amadurecimento vagaroso determinado por momentos de desordem interna e externa. Cumplicidade que se expressa apesar dos enigmas e contradições de seres opostos que jamais se completam, apenas evoluem entre possíveis …

Caminhos dicotômicos

Não lhe diria verdades, nunca as conheci. Tampouco desfecharia os inúmeros sonhos inconclusos que permaneceram latentes enquanto pensávamos estar no caminho. Nunca saberíamos se as estradas que escolhemos e as trajetórias que fizemos foram realmente escolhas. De fato, pouco valeria lastimar e fazer conjecturas. Basta-me a realidade detectada pela pupila dos olhos teus e meus, sentida na pele como distante toque etéreo. Adormecida, enquanto em vigília presumes e anseias o que jamais viverás. Reformulas vontades, despertando sorrisos que se encontram longe de ser o que desejas. Não seria lamento, apenas dúvida, suspeita de equívocos... Desconfiança de que, se os caminhos não fossem bifurcados e dicotômicos, se os desejos não fossem imaturos, ainda estarias ao meu lado.
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer