7 de abr de 2011

Reencontro de almas

Essa noite meu espírito foi ao encontro do seu.
Faz tanto tempo que fisicamente nos afastamos
Ainda assim, em dias inesperados e noites de saudade,
Minha alma busca a sua...
Penso ser uma estranha cumplicidade.
Já não creio em amor eterno...
Realmente, se analisarmos pelo prisma da eternidade,
Seria depositar em uma só pessoa todos os meus sonhos...
Pequeno demais para quem muito anseia.
Visualizo diferenças onde via um só caminho...
Minha alma ainda pede presença,
Tanto que ainda perco o raciocínio
Quando penso em especificamente em você.
As lembranças, apesar de distantes...
Hora se tornam tão presentes que, confunde-se com a realidade.
Consumida por um sentimento absurdo de passado,
Vago...
Tentando entender o que inexplicavelmente incomoda,
Justificando meus sentimentos e pensamentos
Sobrevivendo às tempestades que me reserva à lida...
Tudo em vida reporta-me aos momentos que passamos,  
Palavras ditas e sentidas,
Longas dores de solidão e ausência definidas.
À medida que os anos passam
Minha face já não apresenta viço,
Meu ser ainda pede sua presença...
Ligação insana de alma retida,
Estranha inconseqüência de quem jamais se sentirá liberta.
Desperta,
Faço-me realidade...
Há no olhar, traços definidos de saudade. 
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 07/04/2011
Código do texto: T2894194