Pular para o conteúdo principal

Ser mãe


Nada me proporcionou mais alegria do que ser Mãe.

Desejo latente que nutria mesmo antes de me tornar mulher.
Só não sabia que me tornaria escrava desse Amor...
Que no momento em que suas mãozinhas, instintivamente, segurassem meus dedos, me reteriam para sempre!
Há mães que geram, mães que acolhem, pais que são mães, avós que se tornam mães.
Em qualquer circunstância... é sempre o amor que fala mais alto.
Eu não conheço sentimento maior!
Amanheço recebendo beijos e abraços. Sorrisos que se não vêm eu os provoco. Paro de fazer o que quer que seja para ouvi-los e, me agacho para olhar nos olhinhos deles e entender essencialmente o que querem dizer. Prometi a eles que lhes darei colo sempre que quiserem e, perdi a conta dos “Mamãe, eu te amo!” que escuto diariamente.
Aos olhos deles sempre estou linda, mesmo que tenha acabado de acordar e, assumo que parei um pouco minha vida para vê-los crescer.
Essa sou eu, mas não sou única! Quem carrega o sentimento de amor materno dentro de si, sabe exatamente o que sinto.
Quando cresceram, assim como aconteceu comigo, precisarão partir, mas o Amor, esse que sustenta tudo, ficará e, assim como minha mãe, quando vierem me visitar, direi: Meus meninos estão chegando... Como se nunca tivessem crescido!

Beijos as mães que geram, as mães que educam, as mães que não geram mas, que exalam o mais puro amor materno!


Wanderlucia Welerson Sott Meyer

Gratidão

Certezas de Amor

Estavas ali, sempre estivestes.

Não era matéria palpável

Nem ilusão temporária

Fazia parte dos dias

Desde sempre...

Um alento nos momentos de dor

Uma esperança de amor

Visitava-me nos sonhos

Acariciava-me o rosto

Registrava-se a presença

Partia...

Permanecia a sensação do encontro

Serenidade pretendida

Essência de sentimentos duradouros

Suavidade que se sente

Tal brisa suave tocando o corpo

Indivisível êxtase

Emoções desejadas

Puras, intensas

Tradução apropriada de Amor!

Amor maduro

Será preciso tempo para regenerar as lesões provocadas pelo desvario dos sentimentos. Não é possível afirmar se era amor de fato. Serviu como alento enquanto próximo estava. Agora, que apreende e absorve palavras proferidas sem nenhum compromisso estreito com a verdade, analisando frases soltas e atitudes contraditórias, percebe-se claramente a ineficiência das palavras que não condizem com a verdade. Realidade tão intensa quanto a fugacidade dos anseios de porvir. Confia cegamente na maturidade que se adquire, grata pelo aprendizado rápido e eficaz de que o amor, de fato, só existe nos atropelos da convivência, no encontro dos desajustes, no sentir mesmo nas turbulências, na expressão de respeito pelo que se é. Constância inconstante de emoções indefinidas e necessárias. Amadurecimento vagaroso determinado por momentos de desordem interna e externa. Cumplicidade que se expressa apesar dos enigmas e contradições de seres opostos que jamais se completam, apenas evoluem entre possíveis …

Caminhos dicotômicos

Não lhe diria verdades, nunca as conheci. Tampouco desfecharia os inúmeros sonhos inconclusos que permaneceram latentes enquanto pensávamos estar no caminho. Nunca saberíamos se as estradas que escolhemos e as trajetórias que fizemos foram realmente escolhas. De fato, pouco valeria lastimar e fazer conjecturas. Basta-me a realidade detectada pela pupila dos olhos teus e meus, sentida na pele como distante toque etéreo. Adormecida, enquanto em vigília presumes e anseias o que jamais viverás. Reformulas vontades, despertando sorrisos que se encontram longe de ser o que desejas. Não seria lamento, apenas dúvida, suspeita de equívocos... Desconfiança de que, se os caminhos não fossem bifurcados e dicotômicos, se os desejos não fossem imaturos, ainda estarias ao meu lado.
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer