9 de out de 2009

Sinceridade

          Tudo em mim transborda sinceridade, menos o que vivo. São as adaptações que a convivência e a civilidade nos forçam a fazer. Não dá pra ser franco todo o tempo, porque nem sempre as pessoas querem saber a verdade. Há um incômodo em ser assim. Uma incoerência que perturba, um desejo encoberto por conveniência. Estamos em lugares que não desejamos, sorrimos para pessoas que não nos tocam, falamos pouco para que as palavras não se voltem para nós mesmos. Verbos que não correspondem às ideias que temos de situações, pessoas, lugares...

          Não dá pra ser sincero todo o tempo. Pode-se ferir profundamente, destituir ilusões, afogar sentimentos, abalar vidas. Há uma mediação entre o que é dito e o que deve ser dito. Mas, a alma, moldada pela hipocrisia da verdade (nunca soube direito qual é a verdade) pune, nos coloca com algozes, feras que omitem, poços de mentiras.



Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

Publicado no Recanto das Letras em 09/10/2009

Código do texto: T1856910