29 de out de 2008

Descrevendo-me


Posso ser bela aos olhos de quem me vê,
Mas, não adormecida.
Vivo como mulher que pensa, sente e atua.
Sou o resultado de tudo que vivi.
Passado que não abro mão
Nem dos momentos de tristeza...
Foi vivenciando, chorando,
Sorrindo, sofrendo, vibrando...
Que aprendi a ser quem sou.
Não espero que me dêem, busco.
Não espero que gostem de mim, amo.
Não fico aguardando que me aceitem
Conquistei meu lugar no mundo.
Sou um misto de sensações e sentimentos
Que não se importa em mudar quando preciso.
Não tenho respostas...
Cometo enganos...
Mas, aprendi a me perdoar.
Percebendo-me como aprendiz da vida,
Vou dizendo ao mundo que caminho...
Traduzindo no rosto uma alegria
Que encanta e incomoda.
Entre ser princesa e me colocar a frente de batalhas
Como guerreira audaz, que enfrenta às adversidades,
Trago dentro do peito raízes de quem foi capaz
De construir castelos,
Colecionando as pedras
Que encontrava pelo caminho.


Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

Publicado no Recanto das Letras