17 de jan de 2012

Amar, sentir e viver!

Não dá para relevar sentimentos
Podemos disfarçá-los

Canalizá-los para outros objetivos

Desenvolver sintomas inexplicáveis

Negá-los, omiti-los...

Ensaiamos esquecimentos

Insustentável conviver entre tantas turbulências
Ocasionalmente sofremos
Conduzem-nos à morte em vida
Infelicidades enraizadas
Ausência de coragem
Situações e pessoas
Que pensamos estar preservando
Ninguém pode fazer feliz
Se infeliz se encontra!
Toneladas de lamentos
Do que deveria ser...
Do que se quer ser...
Do que é preciso ser...
Grosseiros ciclos viciosos
Onde a vontade é a última
Onde a verdade é asilada
Veneno ingerido em doses
 Imperceptíveis, generalizadas
Nega-se à vida!
Entregando-se a um lavor interminável
Como se sentir errado fosse
Como se amar fosse indevido
Perda de idos e findos tempos
Aonde resta no olhar a tristeza
Frieza, descrença.
Quem não se permite sentir
Vive de “faz de conta”
Tonta e remota alegria
Perda de história, vida e magia!
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 06/01/2011
Código do texto: T2712911