16 de mar de 2016

Instantes

O vento sussurra remexendo lembranças
Hoje, longe dos olhos...
Resta-me silenciar o desejo e seguir sem tua presença.
Inserida e distante em mundo que exige presença constante
Percebo, na suave brisa, o frescor de tuas mãos atentas.
Distantes... olhares, palavras...
Atitudes demarcadas na alma um tanto cansada.
Dúvidas pertinentes, insistentes...
O silêncio, a espera, o entorpecimento dos dias
As lições do caminho apreendidas
Outras tantas, esquecidas por conveniência
Passado o instante de entrega, sentimento...
Resta-me caminhar às cegas
Na procura do que desconheço
O vento, o som, o tempo...
Presença etérea, discreta e serena
Sustentam-se os dias
Passageiros somos desse movimento
Vento que me leva...
Doce vento!
Me lembre outras vezes
De parar o tempo...