29 de mar de 2016

Conto Cotidiano I

Sorrindo como um louco, ele atravessou a rua sem observar os veículos. Parecia estar em um estado de transe interminável. Ouvira, logo cedo, que era sábado, era preciso aproveitar o dia. Correr, caminhar, sair... A voz da locutora povoou seu cérebro cansado. Havia trabalhado, como sempre. Chegava o final do mês, por ironia, o mês onde se comemorava o trabalho. Sua conta no vermelho, seu dinheiro escasso, sua vida pobre e vazia. Aquele chamado parecia influenciá-lo a continuar sem pensar, sem sentir... Continuar por continuar. Passo cambaleante, olhar alheio, vazio interior crescente, demandas de vida sem a correspondência necessária. Não chegou a terminar o trajeto. Seu corpo, caído... Ideias confusas... Parou para descansar em plena avenida.

... Vivemos em um mundo de ditaduras. De alguma forma, de qualquer maneira... ás vezes somos obrigados a parar!

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer