7 de ago de 2013

Abstrações

Entardecer silencioso, pensamento em desalinho
Desejo oculto, ignorado e vivo
Procuram-se os olhos, pretende-se o toque
Resgatam-se sonhos, soçobram pensamentos
Alimenta-se de um amor que sempre soube existir
Não há realidade que lhe prenda
Raridade de amor sempre esperado
Corações que se pegam
Integram emoções e lampejos
Iluminariam o mundo
Contemplando a simplicidade almejada
Conferindo-lhe vida!