21 de set de 2012

Passagem


As portas entreabertas da casa escondem receios que surgiram nas experiências e vivências da maturidade. É tempo de pensar mais, falar o necessário, sentir com moderação e agir com prudência, Ninguém se basta, nem se encerra... Aguarda. Diante de uma cena romântica  permite que as lágrimas caiam, sonha e percebe a realidade como necessária. As perguntas, antes angústias, aguardam respostas silenciosas da vida. Esconde-se a chave para que a porta não feche definitivamente impedindo que o novo se instaure. No entanto, quem ou o que entrar deverá espargir aromas de esperança, restaurar delicadamente os sentimentos, traduzir silentes desejos, suscitar sensações de plenitude... Trazer consigo a paz!