28 de abr de 2010

VIDA INCONDICIONAL


Entrego-me ao silêncio procurando respostas tão óbvias quanto à vida!
Nada posso sem levar em conta o acaso.
Se somente metas nos conduzissem, estaríamos limitados aos nossos pequenos e superficiais desejos e deixaríamos de viver emoções, momentos e sentimentos dignos de serem recordados.
Não é o caos dentro de si, é a certeza de que nas surpresas e descaminhos proporcionados pela casualidade encontramos respostas. Redirecionamos e reedificamos. Um complexo e intrincado processo, que de tão imprevisto, mistura-se a magia da vida.
Não somos conduzidos. Nossos desejos internos, aqueles que ocultamos e desconhecemos, transbordam a energia necessária à transformação. Um processo inevitável que pode ou não ser aproveitado. Está sujeito apenas a forma como o percebemos e enfrentamos. Muitos não se dão conta dessa magia e entregam-se a queixas ou estacionam suas energias no que acreditam ser uma lesão irreparável.
Assim como a natureza se modifica gradativamente e de forma harmônica, porque endurecidos por nossas falsas certezas, somos ocasionalmente induzidos a seguir caminhos que pensamos desconhecer. Seguir, acreditando em possibilidades e permitindo-nos à transformação, evoluindo e vencendo o “homem velho” que ainda nos prende a condutas e verdades que não nos permitem perceber o inevitável caminho da evolução.
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 28/04/2010
Código do texto: T2224221