6 de set de 2008

Do amor?


Qual foi mesmo o sentimento que você despertou quando me conheceu?
Paixão, desejo.
Presença, carinho...
Todos refletindo pra um caminho... Era amor!
Vendamos os olhos quando amamos,
Acreditamos ser aquela pessoa à única responsável por nossa alegria.
E, se estivermos carentes então...
Depositamos sonhos, transferimos caminhos.
Enfrentamos exércitos.
Nós entregamos íntegra e absurdamente.
Amor próprio?
Como valorizá-lo se é no outro que você se encontra?
Transpomos qualquer barreira,
Doamo-nos integralmente.
Paixão avassaladora,
Onde o outro é maior do que nós.

Qual foi mesmo o sentimento que você deixou quando partiu?
Copiosas lágrimas... Pranto...
Sensação de perda, desencanto.
Indiferença, quase raiva.
Sentimento estranho... Desamor, enfado.
Ausência de mim mesmo... Me perdi em você.
O dito, pelo não dito.
“Não, não era isso que eu quis dizer...”
“Nunca lhe prometi nada...”
“Você entendeu errado...”
Mas, na memória ainda vivem os momentos,
As palavras... O toque... O olhar...
Fica oco, frio e sem vida
O que antes era uma invasão de Amor.
Ledo engano de quem ama
E na entrega se esquece
Que amor só é amor,
Quando da paixão... ao desejo
A pessoa mais importante precisa ser você!


Wanderlúcia Welerson Sott Meyer

Publicado no Recanto das Letras