26 de set de 2016

Pensamentos

Já não sei dizer se a tecnologia trouxe o vazio, como alguns afirmam, ou...  Se esse vazio já existia e as pessoas condenaram a modernidade por não aceitarem a confusão interna e a solidão em que se encontram.  A busca de uma felicidade eterna e desenfreada, o estar sem ser, a descomedida aquisição material, o falta de cuidado com o que se adquire (os descartáveis)... A transferência doentia de parceiros... Estamos nos esquecendo de que relacionamentos exigem cuidados, que a perfeição é algo inatingível, que nossas ilusões podem adoecer quando realidade é o que nos sobra. Hoje, me sinto ultrapassada... Valores enraizados parecem não fazer nenhum sentido, anseios de simplicidade parecem tão ou mais distantes que a aquisição de um bem material de altíssimo valor. Confesso que algumas vezes, já não consigo emitir o mesmo brilho no olhar, que o sorriso anda meio desvanecido e por alguns momentos, sinto-me uma estrangeira que parece não se fazer entender. Contudo, estou farta de esperança...  Talvez, por conta da fé apreendida, pela experiência inevitável, por testemunhar a vida, sentido-a...  provocando contextos de mudança através de uma prática quase coerente ( às vezes, a dúvida me conduz à ponderação, o cansaço interrompe temporariamente a trajetória, a tristeza me visita sem fazer morada). É a  esperança... Essa utopia de felicidade possível, de vida simples, de travessia diária, de crença na evolução do Ser, de análise histórica do quanto “homens e mulheres” já foram e ainda serão, de inspirar-me nos grandes missionários do mundo (pessoas que transformaram através da retórica, da ética, do Amor e da paz!)... É assim que sigo! E quando o coração aperta, entrego-me  ao silêncio, faço uma prece, comprometo-me com a serenidade e procuro escutar meu coração!