26 de jul de 2012

Inquietude


Essa alma inquieta, desperta e livre sempre resmunga quando tenho que atraí-la ao chão. Embate quase sempre vencido por delírios de felicidade, senão plena, possível. Vê, sonha e sente com a leveza de uma poesia de amor. Incomoda, aspergindo serenos orvalhos de perspectivas quase impossíveis. Quase... Porque com o tempo, as possibilidades são harmoniosamente  traçadas por  circunstâncias indefinidas. Fecha-se ao mundo e, no primeiro toque sutil e suave, ressoando palavras transfiguradas em afeto, entrega-se à leveza dos ventos permitindo-se condução insegura.