29 de out de 2010

Do amor que deixas de viver


Tenho algo de velho dentro de mim...
Algo que me coloca fora do tempo em que vivo,
Alma leve que respira amor, alma transparente
Que não vê mal onde quer que exista.
Tenho algo de belo nos olhos...
Só me permitem ver o quero!
Tenho algo de amor por você...
Nunca saberei explicar por que...
Tenho algo que entendo...
Não nego!
Por que sentir é o que me torna viva!
Sei que te afasta para não sentir,
Mas afirmo...
Enganas-te se pensas esquecer assim...
Tenho algo que só ofereceria a ti!
E que de tão sereno e belo,
Apenas lhe pertence!
Não me importo se negas...
Sei que amas!
Mas, lamento a cegueira que ti inflige a dúvida
E és tu que deixas de viver!
Porque seguirei sentindo...
Olhando seus olhos em fotos frias.
Desejando pouco...
Quase nada...
Mas, ainda assim desejando
Sigo!
Wanderlúcia Welerson Sott Meyer
Publicado no Recanto das Letras em 29/10/2010
Código do texto: T2584864