4 de dez de 2015

Ilusão


“Há muito deixei de correr atrás das borboletas”
São encantadoras, mas dificilmente criam laços...
Não estabelecem vínculos.
Prefiro observá-las
Inebriar-me com a desenvoltura de suas asas
Deixá-las livres para que sigam seu destino.
Enquanto contemplo
Entrego-me aos sonhos...
Indagação sincera...
Como seria se permanecessem ao meu lado?
Encantariam com sua beleza?
Ou se converteriam em realidade?

Wanderlúcia Welerson Sott Meyer