16 de set de 2015

Contradições

Já não tenho tempo a perder... tenho urgência de vida!
Não é a felicidade plena que busco
Nunca sonhei excessivamente e nem desejei muito.
Fantasias só me encantaram na infância.
Sei que pessoas falham
Que esperar do outro o que desejo
É despertar expectativas que certamente serão frustradas
Que muitos apenas falam e não ouvem.
Que quem pensa não errar acredita em uma pérfida verdade.
Sei que silêncios são imprescindíveis
Mas, guardar opiniões e disfarçar pontos de vistas.
È sobrecarregar a alma de palavras que precisam ser expostas.
Enfermando-se lentamente, reduzindo-se a uma dissimulada anuência.
Presumo que sei o que desejo...
Mas, a vida sempre me convida a novas fatos.
Uma insensatez saudável, que quando se ausenta.
Impede-me o raciocínio contraditório e incoerente...
Aquele que acirra minha capacidade criadora.
Gosto de flores, de amores, de sonhos...
Gosto do ingênuo, do autêntico, do inadmissível...
São dessas vontades, incongruentes e despertas.
Que teço palavras, expressando o que o consciente encerra.
Gritos que me aproximam do humano
Robustecendo a necessidade de autoperdão.
Caridade que preciso ter para comigo

Carícia essencial que auxilia a amadurecer.